terça-feira, 1 de agosto de 2017

3º módulo do Curso sobre o Carisma da Família Paulina

O 3º módulo do Curso sobre o Carisma da Família Paulina realizou-se  de 20 a 30 de julho de 2017

O gélido clima que assola São Paulo e as mais variadas regiões do Brasil não foi capaz de desaminar os 29 pulsantes corações dos membros da Família Paulina (Paulinos, Paulinas, Discípulas do Divino Mestre, Pastorinhas, Apostolinas e Cooperadores Paulinos) que após o jantar do dia 20 de julho, na Casa de Oração das Irmãs Paulinas, em São Paulo, deram início ao terceiro módulo do Curso do Carisma, inaugurado em 2015. Neste ano, portanto, o primeiro grupo conclui a sua formação.

Na manhã do dia 20, o discurso inaugural foi da Provincial das Paulinas, Irmã Antonieta Bruscato, que se dirigiu afetivamente aos participantes motivando-os a “aproveitar e aprofundar o que lhe é próprio: o carisma!”

 Logo após sua fala, padre Antônio F. da Silva presenteou a assembleia lendo uma carta que o pe. Valdir José de Castro, superior geral dos Padres e Irmãos Paulinos, mandou a todos os participantes. Ele assim escreveu: “Envio a todos a minha saudação com o desejo que o Curso de Formação sobre o carisma da Família Paulina produza muitos frutos na vida pessoal e na missão. Não basta empunhar o carisma apenas como uma bandeira que nos identifica na Igreja e no mundo. É necessário conhecê-lo nas suas origens e aprofundá-lo para atualizá-lo nas diversas realidades em que vivemos.”

Para iniciar a celebração eucarística, fez-se uma breve procissão em direção à capela quando todos portavam nas mãos uma vela representando o carisma herdado do nosso fundador, o bem-aventurado pe. Tiago Alberione. A Eucaristia foi presidida pelo pe. Luiz Miguel, provincial dos Paulinos que, mais uma vez, deixou sua mensagem de incentivo e alegria em ver tão numeroso grupo de interessados e interessadas em conhecer e estudar o carisma paulino.

Dando continuidade à extensa programação do dia, o professor e amigo da Família Paulina Domingos Zamagna apresentou o plano cultural e religioso que desenhou e transformou o quadro mundial no qual a Igreja e, consequentemente, a Família Paulina estão inseridas antes, durante e depois do Concílio Ecumênico Vaticano II: figuras políticas, pensadores, invenções, artistas e movimentos mundiais que influenciaram o andamento histórico da humanidade.

Segundo o professor, há que se ver os antecedentes do Concílio Vaticano II para compreendê-lo e reconhecer sua convocação como um ato inesperado do papa João XXIII até para a própria Cúria Romana. Continua Zamagna: “A igreja católica chegou na década de 50 cheia de feridas causadas pelos medidas anticatólicas em vários países: México, Espanha, Argentina, Itália, Alemanha e tantos outros. As reações contra o laicismo, secularismo, fascismo e muitos outros ‘ismos’ colocou a Igreja em uma posição de defesa e ataque àquilo que se apresentava de ‘moderno’, tudo o que se apresentava sob essa égide era considerado antirreligioso e anticristão”. Na noite do mesmo dia, todos os participantes foram convidados a ter um momento de oração pessoal e assim finalizar os trabalhos elevando ao Mestre Divino uma prece de ação de graças por esse ‘kairós’ na vida de cada membro da Família Paulina.

sábado, 24 de junho de 2017

Novena a São Paulo Apóstolo

Novena  a São Paulo Apóstolo

- Graça e Paz a todos! Comecemos fazendo com o apóstolo Paulo nosso ato de fé. 

(Ouvir no CD Palavras Sagradas do Apóstolo Paulo (Paulinas COMEP) ou ver no Youtube o vídeo no link indicado).

Canto: Eu sei, eu sei, eu sei em quem acreditei (1Tm 1,12)
eu sei eu sei seu sei em quem acreditei
link - https://www.youtube.com/watch?v=urXCXGNTWAE

Em  preparação à festa de São Paulo Apóstolo, (na solenidade litúrgica do martírio de São Pedro e São Paulo, que neste ano celebramos no dia 2 de julho), iniciamos esta novena ( do dia 24 de junho a 2 de julho) com o desejo de que São Paulo nos dê a graça de crescermos no conhecimento e na comunicação de Jesus Cristo.


Se pudermos acendamos  duas  velas: uma de cor verde, cor do manto de São Paulo. É cor verde representa a cor da natureza, a cor da vida, do renascimento.  Representa a vitória da vida sobre a morte. Acendamos outra vela de cor vermelha que aparece  na túnica de São Paulo. Representa o amor, o sacrifício, o martirio, a oferta da vida por causa de Jesus Cristo.. 

Canto: Aquele que vos chamou (1Ts 5,24)
link - https://www.youtube.com/watch?v=cjtFGgMreBI

- Antes de rezarmos a oração que segue, apresentemos os nossos pedidos a Deus por meio da intercessão de São Paulo. 

( Coloque seus pedidos e intenções)
- Agora,   Leiamos a frase do dia, nas cartas de Paulo e façamos um momento de silêncio e reflexão:
1º dia -  Não nos cansemos de fazer o bem  (Gl 6,9)
2º dia - É Cristo que vive em mim (Gl 2,20)
3º dia Se Deus é por nós quem será contra nós?  (Rm 8,31)
4º dia - Ele me amou e se entregou por mim (Gl 2,20)
5º dia - Tudo posso naquele que me dá força  (Fl 4,15)
6º dia - Tudo contribui para o bem daqueles  que amam a Deus (Rm 8, 28)
7º dia - Se alguém está em Cristo é nova criatura  (2 Cor 5,17)
8º dia - Toda língua proclame Jesus Cristo é Senhor para a glória de Deus Pai (Fl 2,11)
9º dia -  Até que Cristo se forme em nós  (Gl  4,19)

Canto: A Palavra está perto de ti, em tua boca, em teu coração. (Rm 10,8)
link - https://www.youtube.com/watch?v=mRX_w1-Ld20

-  Agora rezemos com Paulo. Antes de rezarmos a oração , podemos lembrar e dizer uma característica que admiramos em São Paulo. 

Oração:  
Ó São Paulo, mestre dos gentios,
olhai com amor para a nossa Pátria!
Vosso coração dilatou-se
 para acolher a todos os povos no abraço da paz.
Agora, no céu, o amor de Cristo vos leve a iluminar
 a todos com a luz do Evangelho 
e a estabelecer no mundo o Reino do amor.
Suscitai vocações, confortai os que anunciam o Evangelho, 
preparai as pessoas para que acolham o Cristo, divino Mestre.
Que o nosso povo encontre e reconheça sempre a Cristo, 
como o Caminho, a Verdade e a Vida; 
busque o Reino de Deus e trabalhe em sua realização, 
para que a sua luz resplandeça diante do mundo, 
iluminai, animai e abençoai a todos! 
Amém.

São Paulo apóstolo, rogai por nós!

Canto:  Por tudo dai graças  (1Ts 5,18 )
https://www.youtube.com/watch?v=lqAenXfoZyk

- Graça e Paz!

quarta-feira, 24 de maio de 2017

"Pontes e não, muros"


A humanidade de hoje precisa de "pontes, não de muros", exatamente como os povos do Séc. XX não precisavam da divisão simbolizada pelo Muro de Berlim. No dia que recorda a queda, 25 anos atrás, do muro da vergonha, o Papa Francisco lançou no Angelus na Praça São Pedro, um apelo a fim de que caiam, disse, "todos os muros que ainda dividem o mundo".

Foi um auspício de paz e de fraternidade repetido também durante a alocução que precedeu a oração mariana, inspirado na festa da Dedicação da Basílica de São João de Latrão – sede da Diocese de Roma.

"25 anos atrás, 9 de novembro de 1989, caia o Muro de Berlim." O Santo Padre ofereceu a sua leitura do que se deu com a queda do que definiu "símbolo da divisão ideológica da Europa e do mundo inteiro":

"A queda deu-se inesperadamente, mas foi possível devido ao longo e cansativo empenho de tantas pessoas que lutaram, rezaram e sofreram por isso, até o sacrifício da vida. Entre esses, o santo Papa João Paulo II teve um papel de protagonista."

A história é mestra de vida e o Papa Francisco aproveitou a ocasião desta celebração para pedir o abatimento de todos os outros muros que ainda hoje dividem os povos com o cimento de outras formas de discriminação:

"Rezemos a fim de que, com a ajuda do Senhor e a colaboração de todos os homens de boa vontade, se difunda sempre mais uma cultura do encontro, capaz de derrubar todos os muros que ainda dividem o mundo, e não mais aconteça que pessoas inocentes sejam perseguidas e até mesmo mortas por causa de seu credo e de sua religião. Onde há um muro, há fechamento de coração! Precisamos de pontes, não de muros!"


Fonte: Rádio Vaticano 

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Intercapítulo de Paulinas - Colaboração continental


Colaboração continental: será uma utopia? 
Ou é um valor e uma possibilidade de crescimento? Estas duas interrogações nos atormentaram hoje, nos trabalhos de grupo para a avaliação da colaboração continental. Nestes anos, as Circunscrições deram alguns passos na colaboração, seja no apostolado como na formação, experimentando a vantagem da abertura e do conhecimento entre as irmãs do mesmo Continente.

As iniciativas de colaboração foram diversas e interessantes, mas não faltaram dificuldades, sobretudo pela diversidade de línguas, as distâncias e as mentalidades diferentes. Entre momentos de desânimo e fortes retomadas, a colaboração é, de toda forma, uma realidade

A avaliação evidenciou os pontos fracos e os obstáculos. Dialogamos sobre a forma de melhorar o caminho conjunto nas formas e na organização, esclarecendo as responsabilidades, os critérios de ação, os aspectos concretos. Ficou uma certeza: não podemos renunciar às formas inteligentes de colaboração, para aprender umas das outras e partilhar experiências, ideias e materiais de apostolado.